...
webber webber webber
“Sua voz é como aquela música, que a gente escuta, se apaixona, e não se esquece jamais.”
Carlos Antonio (via poensar)
“Cada vez que você permite que alguém te conheça completamente, também permite que essa pessoa tenha o poder de te destruir, mas acredita que esta jamais o fará.”
Versejas. (via romanteios)
“Isso é só um sonho. E o despertador vai tocar já, já.”
Pedro Bial  (via promessasvazias)
“Como se pra gostar de alguma coisa ela tivesse que ser perfeita.”
Pc Siqueira.  (via letsgo-sex)
“Lembre-se que a cada chuva, um novo sol nascerá no céu.”
João Daniel.  (via docetos)
“Fica mais, fica mais um pouco, porque muito de você pra mim ainda é pouco.”
Charlie Brown Jr.    (via alentador)
Dezembro de 1992.
Felipe,
Estamos perto do natal e eu venho pensando em uma maneira de mostrar o quanto você tem sido importante pra mim nesse tempo. Resolvi escrever uma carta, você sempre disse que admirava como eu escrevia. Estou na praia em que gostamos de vir juntos, sentada nas pedras e vendo as ondas bateram. É engraçado, tem muitas crianças na praia e muitos casais apaixonados, de todas as díades, andando de mãos dadas e isso me faz pensar em você. Estamos juntos a um ano mais ou menos, porém desde pequena sou apaixonada por você. Somos o casal feito pra dar certo, vizinhos e melhores amigos desde sei lá, sempre. Aprendi com você a ser quem sou. Tu sempre protetor, ciumento. Eu cresci ouvindo você falar que bateria em qualquer um que chegasse perto de mim porque eu merecia o melhor. Lembro quando eu tinha 11 e você 13 e a gente queria saber como era um beijo, porque todos falavam que era uma coisa incrível e mágica, e você me beijou. Depois disso, você ficou tão envergonhado que não falou comigo por meses. Lembro quando você fez 16 anos e começou a sair mais e acabou me deixando de lado, eu fiquei com ciúmes e irritadas e passei a te ignorar sempre que saímos em família. Você fazia de tudo pra chamar minha atenção, mas você tinha partido meu coração pela primeira vez e eu o odiei por um ano pelo que fez. Você namorou uma loira nesse período, e eu só queria soca-lo sempre que via vocês juntos.
Voltamos a nos falar, lembra? Você disse que eu sempre seria sua garotinha dos olhos brilhantes. O tempo passou, eu cresci e foi minha vez de conhecer novas pessoas, novos meninos e você jurar bater em cada um que tentava falar comigo. Mas eu acabei saindo com um cara que parecia o príncipe encantado. Ele quebrou meu coração pela segunda vez e, mesmo com todo seu ressentimento, você esteve lá comigo me abraçando no quintal, dizendo que ele não me merecia e que eu ainda iria achar um cara que fosse me fazer ser uma princesa. Mas eu já tinha esse cara e eu não entendia isso. Não entendia como podia ser apaixonada por um garoto que via como meu melhor amigo, não entendia o meu ciúme quando você sai com uma garota qualquer e isso me afastou de você, novamente. Parece coisa de cinema, mas a verdade é que nós dois estávamos confusos demais pra conseguir entender o que era amor.
Você saiu da cidade, foi fazer faculdade bem longe de mim e perdemos contato praticamente, você mandava alguma carta, contado sobre o que estava acontecendo, mas eu nunca respondi por pura birra. Eu estava pra fazer meus dezoito anos, já não era mais a menina inocente que você viu crescer. Já havia quebrado a cara algumas vezes com rapazes que só queriam me usar. Você foi pra casa depois de quase dois anos longe e meu coração pulava de alegria em te ver. A gente caminhou pela vizinhança e você disse que não aguentava mais de saudades de mim, que a pior coisa da faculdade era não poder me ver todos os dias. Disse que era apaixonado por mim, mas nunca tinha tido coragem de dizer porque tinha medo de eu não corresponder e que se dizia naquela hora, era porque sabia que daqui a alguns dias você sairia dali e nunca mais nos veríamos se fosse o caso de eu não querer. Eu te contei sobre os caras, sobre como eu me magoei tentando encontrar meu final feliz e como a cada dia eu tentava me enganar mais porque eu sabia que você era o meu destino. Nos beijamos pela segunda vez e você me deixou em casa. Pediu-me em namoro alguns dias depois e pediu transferência pra faculdade mais perto. Nossos pais ficaram felizes, sempre quiseram o relacionamento. E eu disse tudo isso só pra te mostrar o quanto nossa história é gigante e eu espero que ela fique ainda maior, que eu possa contar como foi nosso casamento, a chegada dos nossos filhos e tudo mais. Você é como minha canção antiga favorita, que eu sei cantar de todas as formas possíveis.
Eu poderia ficar sentada te ouvindo contar sobre seu dia por horas. Seu abraço faz com que eu me sinta acolhida e protegida, sua risada me contagia. Tudo em você faz de mim o que eu sou, cresci sendo sua alma gêmea. Você me completa de alguma forma, seus beijos e sua forma de me ter. Aprendi a amar com você, cresci me apaixonando e fui tola por ter deixado você escapar por tanto tempo. Sua eterna amante, melhor amiga…”
— Com amor e paixão, Lucy!  (via extinta)
“Eu quis espernear, gritar “Fica pelo amor de Deus!” Mas desde quando a gente pede uma coisa assim? Desde quando a gente tem que implorar pra alguém ficar? Mesmo que a vontade inunde nossa alma, e a certeza da falta destrua nossas vontades, amor não se implora.”
Tati Bernardi.  (via repouse)